quarta-feira, 13 de abril de 2011

Dei-te a flor

Dei-te a flor
que exala o amor.
Dei-te o chamego
que agasalha o teu corpo.
Dei-te a paz
que conforta o teu ser.
Dei-te o meu olhar sereno
que
aquieta-te.
Dei-te
a verdade que aconselha-te.
Doei-te tanto
que esvaziei-me
de mim mesma
e
encontro-me
desprovida
de minha essência.
Por tudo isso,
hoje,
eu busco
uma mão, que me conduza,
um ombro, que me sustente,
um corpo, que me aqueça,
um coração, que me ame
e
um olhar, que me veja,
muito além
do que fui
do que sou
e
do que pretendo ser,
depois de restituída
de tudo,
 que um dia,
eu
te dei.
 

2 comentários:

kassiaindia disse...

Sempre estou aqui.
Sempre estarei aqui.
Se não em carne
em olhos com certeza.
Lindo como sempe comadre.

Sonia Lima Naves disse...

Um beijão prá vc!