quinta-feira, 30 de setembro de 2010

QUISERA EU SER!

Quisera eu ser

Quisera eu ser luz
e  então enfrentar a minha escuridão.
Quisera eu ser lenço
e então secar as minhas lágrimas.
Pudera eu ser conhecimento
e então  dar-me o discernimento.
Pudera eu ser calor
e então vencer o frio no meu peito.
Acreditara eu ser mar
e então  enfrentar a dor.
Acreditara eu ser poder
e então ambicionar o seu amor.
Porém,
eu confundi o básico
entre o querer,
o poder,
e o acreditar.
E ainda,
equivoquei-me
quanto à minha condição humana.
Esquecera-me ser ternura
e
apaixonei-me pelo seu olhar.
Esquecera-me ser emoção
e
amei-te loucamente.
Nesta situação
emergencial
restará a ti
uma melhor compreensão
desta minha conotação.





.





terça-feira, 28 de setembro de 2010

Eu te perdi!!!

Às vezes, o ser humano tem que experimentar a arte de ser humanamente.
Hoje, as palavras escapam de minha mente humana, semente, somente, humana, que germina em chão àrido, para sobreviver e não morrer.

Um beijo com gosto de saudade

Sônia

Eu te perdi,
porém,
ganhei
a minha dignidade,
a minha ternura,
a minha alma,
a minha consciência,
a minha paixão.
Mas,
eu me pergunto:
Será que eu te perdi,
ou,
será que você se perdeu,
se perdeu
no vazio,
na base desfeita,
no baú de mentiras,
no casuísmo
ou
no egoísmo
valente
alheio
a mim
e
ao ser humanamente.

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Sarau poético!!!

Obs: Participação de vários poetas, dentre os quais a poeta Sônia Ferreira de Lima Naves.
Prestigiem!!!!!!

A massa cresceu!

Audácia,
ousadia,
coragem,
insolência
e
atrevimento.
Ingredientes que me faltam
para botar a mão na massa.
Massa humana,
na medida certa.
Temperada,
deliciosamente,
pelas minhas mãos.
Repousada,
vigilantemente,
sob o meu olhar
desejante.
Até o ponto X
intrigante,
com o qual
eu direi "sim".
A massa cresceu!



quarta-feira, 22 de setembro de 2010

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Voa, voa Sabiá...

Voa, voa
Quero-quero,
Beija-flor
e
Sabiá.
Quero beijo,
quero amar,
aqui
ou
acolá,
quiçá.
Quero
sobrevoar o mar
e
enveredar no horizonte
ido
e
perdido.
Quando voltar
quero
despertar
em seu leito arrumado
amado.

terça-feira, 14 de setembro de 2010

Arroz carreteiro mineiro! MUITO BOM!!!!

INGREDIENTES PARA 5 PESSOAS:
1 kg de costelinha de porco;
1/2 kg de linguiça pura e maturada (opcional);
1/2 kg de arroz ;
200 gr de feijão cozido;
Couve, a gosto;
Cheiro verde;
2 Cebolas grandes;
3 dentes de alho;
100 gr de toucinho ou bacon;
Sal e pimenta.

MODO DE FAZER:

Use, de preferência, uma panela de ferro.
Refogue a costelinha de porco, a linguiça e frite o bacon.
Quando a carne estiver dourada, coloque o arroz para refogar.
Acrescente o feijão.
Acrescente os temperos, a gosto.
Acrescente água até cobrir todo o arroz.
Deixe cozinhar por 15 minutos ( mais ou menos, depende do fogo!) Abaixe o fogo quando a água estiver secando e deixe mais uns 8 minutos.
Misture a couve picadinha e o cheiro verde. Decore com ovo de codorna cozido (nesta foto, os ovinhos já haviam sido comidos. rrsss)

Sirva este arroz carreteiro mineiro ainda quente.
Bom apetite!

Curiosidades!!!
Arroz de Carreteiro: Prato característico do cardápio gaúcho. Nascido da luta das estradas, seu sabor se confunde com o prazer de viver nestes pagos soberanos. (Extraído do livro de Salvador Ferrando Lamberty – “ABC do Tradicionalismo Gaúcho” , 2. Edição, Martins Livreiro Editor, 1989).
Carreteiro: Aquele que conduzia as carreteadas, que era um veículo de tração animal, uma espécie de carroça puxada por bois. Os rangidos dos rodados eram a certeza do transporte do suprimento necessário para erguer-se um rancho, vanguarda dos confins das plagas do sul. Cortando distâncias, o carreteiro deixava a família e a querência. Um fiambre, contendo charque, tinha presença na mochila do carreteiro. Era o alimento protéico mais adequado para vencer a carreira das distâncias.
No livro de Jayme Caetano Braun “Potreiro de Guachos”, 5.edição, Ed. Sulina, 1975, encontramos uma poesia intitulada “ARROZ CARRETEIRO” fantástica, que conta toda a história deste prato.

sábado, 11 de setembro de 2010

Meus pés!

Meus pés
não vacilaram face a  empecilhos inesperados- não tropeçaram.
Meus pés
deslocaram-se num andamento veloz nos momentos de perigo - correram.
Meus pés
bailaram segundo os ritmos da vida - dançaram.
Meus pés
escaparam às pressas quando fui surpreendida - fugiram.
Meus pés
apiedaram-se às vezes - condoeram-se.
Meus pés
sentiram emoções à flor da pele - experimentaram.
Meus pés,
no forró, arrasta-pés.
no corpo ,tripés.
Meus pés
titubear,
nunca mais,
mesmo em tempos de
medo
ou
susto!

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

domingo, 5 de setembro de 2010

EU INDICO O FILME: "O SORRISO DE MONALISA"

Informações técnicas:
• título original:Mona Lisa Smile
• gênero:Drama
• duração:02 hs 05 min
• ano de lançamento:2003
• site oficial:http://www.sonypictures.com/movies/monalisasmile/
• estúdio:Columbia Pictures Corporation / Revolution Studios / Red Om Films
• distribuidora:Columbia Pictures / Sony Pictures Entertainment
• direção: Mike Newell
• roteiro:Lawrence Konner e Mark Rosenthal
• produção:Elaine Goldsmith-Thomas, Paul Schiff e Deborah Schindler
• música:Rachel Portman
• fotografia:Anastas N. Michos
• direção de arte:Patricia Woodbridge
• figurino:Michael Dennison, Carmen Hawk e Milla Jovovich
• edição:Mick Audsley

sinopse:

Katharine Watson (Julia Roberts) é uma recém-graduada professora que consegue emprego no conceituado colégio Wellesley, para ministrar aulas de História da Arte. A Srta Watson se sente totalmente incomodada com o conservadorismo da sociedade e do próprio colégio em que trabalha, então, decide lutar contra estas "imposições sociais" e com esta atitude ela motiva suas alunas a enfrentarem os seus desafios, fazendo suas próprias diferenças para quebrar os muros da hipocrisia.

Ponto de vista:

O filme me deixou algumas mensagens:
1- Todos podem cometer erros, porém ninguém poderá cometer o mesmo erro duas vezes.
2- Monalisa parece sorrir, entretanto devemos refletir que nem tudo que parece é de fato.
3- Cada um de nós tem que fazer a diferença para construirmos um mundo, com o qual possamos viver melhor.
4- Podemos ser "errantes", porém devemos sê-lo com um propósito.
5- Devemos enxergar além das aparências.

Sônia

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

A TI EU DECLARO TODO O MEU AMOR!!!!

A ti

oh meu poema!
Eu declaro todo o meu amor.
Se tu não existisses,
minha vida
não haveria!
Estão nos seus versos
os meus suspiros.
Neles eu escondo também
os meus devaneios.
Tu carregas
a farpa enfeitada
cravada
nas suas entrelinhas,
para pareceres belo.
Tu silencias
o teu dom de falar,
quando palavras não bastam.
Tu és o meu grande
e verdadeiro amor.
Porém,
quem no mundo
te compreenderás?



quinta-feira, 2 de setembro de 2010

POEMA: SAUDADE!

Esta saudade fria
rasga fundo o meu peito,
que nem a lança de um guerreiro.
Esta saudade incontida
é uma ferida,
que quer se vingar
do meu amor
com a dor.
Esta saudade fugaz
não concedeu-me tempo suficiente
para eu me defender.
Oh saudade!
Prostro-me, abatida,
diante de ti,
na minha condição de mendicância
e
peço-te, humildemente,
que tenhas compaixão de mim.





quarta-feira, 1 de setembro de 2010

MÁQUINA FOTOGRÁFICA NA BOLSA!!!

Sábado passado, ao som de música muuuuuuito boa, eu jantei com uma pessoa querida que preparou uma
 "lazanha de frango"
deliciosa!


Pena, que não levei máquina fotográfica para registrar e depois, é claro, compartilhar a
receita com vocês.

Beijos

Sônia

ARROZ FRITO COM ERVAS E ALHO PORÓ DESIDRATADO!!!!


Amigos que delícia de arroz!!! Experimentem fazê-lo pois é muito saboroso e fácil!

Faça o arroz normalmente, porém, deixe-o ao dente. Reserve.
Frite o alho poró desidratado em duas colheres de sopa de azeite extra virgem.
Misture em uma travessa o arroz, o alho e o azeite.
Acrescente as ervas que desejar. Neste arroz, eu usei: salsa, orégano, alecrim, manjericão roxo e verde, manjerona e pimenta calabreza (tudo desidratado).

Este arroz foi servido com acompanhamento de:
-salada de folhas verdes e filé de frango passado na chapa

Bebida: vinho branco seco