quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Versos sutis... Desconhecido

Eu enfrento,
com rebeldia,
o meu dever racional
de esquecer-te.
E
abro alas
ao meu querer irracional
de recordar-te.
Quero,
pois,
você em mim,
em minha memória
atroz.
Quero
a sua doce ausência
batendo em minha porta
fazendo-me sentir
o gosto do beijo
o afago do abraço
e as carícias
que não experimentei.
Quero
imaginar você,
sonhar com você.
Você,
caliente,
atraente,
carente.
Quero
idealizar o nosso encontro insano
em uma manhã
de qualquer amanhã,
talvez,
motivados
por uma saudade esquisita
egoista
de algo que desconhecemos
e
ainda assim
queremos.

2 comentários:

Abilon Naves disse...

Olá Sônia Naves!
Conhece o Projeto Família Naves?
Veja como participar, no blog Família Naves.
http://familiaresnaves.blogspot.com/2010/04/projeto-naves-arvore-genealogica-da.html ;
e,
http://familiaresnaves.blogspot.com
Mantenha contato e participe do blog da família.
Aguardo os dados referentes ao seu núcleo familiar NAVES
Abraço.
abilon2005@hotmail.com

Sonia Lima Naves disse...

Olá Abilon
Obrigada pela visita!
Entrarei em contato.
abaços